HomeHistórico Veicular

Remarcação de chassi: por que não é uma boa prática?

Remarcação de chassi: por que não é uma boa prática?

Tempo de Leitura: 2 minutos

Quem trabalha com revenda de carros usados ou tem interesse nesse tipo de automóvel deve ficar muito atento ao histórico de uso, a quilometragem, verificar se há pistas de colisões e, principalmente, se houve remarcação de chassi.

A alteração da numeração original do chassi, considerada a identidade do automóvel, só pode ser realizada com autorização do DETRAN e com a expedição de um novo Certificado de Registro do Veículo.

Esse procedimento geralmente acontece por algum motivo grave, como deterioração do chassi, furto do veículo ou quando a estrutura original do automóvel é danificada de alguma forma.

Entretanto, trata-se de uma prática não recomendada, pois desvaloriza enormemente o veículo, equivalendo, no mercado, a um automóvel que deu perda total.

Neste post, você descobrirá os motivos pelos quais a remarcação de chassi não é aconselhada e aprenderá que, caso esse procedimento tenha sido realizado, terá que lidar com questões que implicam em perda de tempo e dinheiro, como: 

  • Dificuldades para conseguir financiamento.
  • Dificuldades na contratação de seguro a preços acessíveis.
  • Desvalorização do veículo.

Confira agora mesmo!

Dificuldades para conseguir financiamento

Veículos com chassi remarcado conseguem ser financiados mas, isso depende da financiadora que você contactar. Muitas delas se recusam a financiar esse tipo de automóvel e, nesse caso, não há nada que você possa fazer.

Algumas empresas até aceitam financiar o carro, entretanto cobram um valor muito maior de entrada — que pode chegar, inclusive, a 50% do valor do veículo. Assim, mesmo que você consiga o financiamento, terá que arcar com esse custo da desvalorização que a remarcação do chassi impõe.

Dificuldades na contratação de seguro com preço acessível

Na hora de contratar um seguro para veículos com chassi alterado, a situação é muito parecida com o momento do financiamento. Novamente tudo depende da seguradora. Algumas empresas autorizam, outras não.

Isso porque é permitido que cada seguradora tenha suas próprias regras e, em caso de remarcação de chassi, elas podem se negar a fazer o seguro. Caso aceitem, podem cobrar um valor muito maior pelo serviço.

Desvalorização do veículo

Certamente a maior desvantagem dessa prática é a desvalorização do veículo. Como mencionamos, a depreciação é tão grande que chega a equivaler a um veículo com perda total e, via de regra, gira em torno de 20% a 30%.

Uma remarcação do chassi sempre é realizada por questões extremamente relevantes como oxidação por umidade, roubo ou uma batida que destruiu a maior parte do veículo, por exemplo. Todos esses casos comprometem desde a segurança até a legalidade do automóvel.

Assim, é muito importante que você evite comprar carros usados com chassi remarcado e, principalmente, poupe o seu próprio veículo desse procedimento.

Para evitar transtornos dessa natureza, algumas atitudes podem ser colocadas em prática. Como a umidade causa corrosão no chassi, evite que ela se acumule no assoalho do veículo. Se seu carro passar por uma enchente, leve-o imediatamente a um lava-rápido para que seja feito uma secagem adequada.

Se você mora no litoral, tenha muita atenção com os efeitos corrosivos da maresia. Esteja sempre alerta aos primeiros sinais de ferrugem e, quando eles começarem a aparecer, providencie a pintura do chassi. Dessa forma, você manterá seu carro sempre conservado e valorizado.

Você gostou deste texto? Então, não deixe de assinar a nossa newsletter para ter acesso a muitos outros conteúdos de qualidade, sempre em primeira mão!

Maylan Moreno - Rede Cred Auto

Profissional de Marketing na Rede Cred Auto. Escrevo sobre consultas veiculares, de crédito e negativação de devedores. Dou dicas sobre otimização do financeiro de uma empresa, mercado de tecnologia e automotivo no geral.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 4
  • comment-avatar
    Joao Lúcio dos Santos 2 anos atrás

    Boa noite.
    Gostei sesta orientacao.

    Acabei de venďer um uno 2002.
    Porém na hora de fazer o laudo; o chassi preciso ser remarcando.

    Como o .eu carro não é vendidopor preço de tabelaFip e sim, pelo estado conservado, não paga mais ipva.

    Dpois de refeito a remarcaca, o comprador recorriu a tabela Fip e pediu uma reducao de 30% do valor; sendo que a venda não foi feita com base na tabela.

    Gostaria de ter uma opiniao.

    Fico no aguardo.

    Obtigado.

    • comment-avatar
      Maylan Moreno 1 ano atrás

      Olá Joao Lúcio! Como vai?
      A depreciação no veículo por conta da remarcação de chassi é um acordo feito pelo vendedor e o comprador visando uma boa negociação, fica a critério dos mesmos decidirem uma porcentagem adequada de depreciação do veículo, não sendo obrigatório cumprir os 30% da tabela Fipe.

  • comment-avatar
    humberto 1 ano atrás

    tenho uma proposta por um carrro que foi remarcado chassi e esta praticamentee na tabela fipe, pessoa dsse que foi por roubo o que faço a que nao quer baixar o valor , tenho interessse no veiculo, o que devo exigir

    • comment-avatar
      Maylan Moreno 1 ano atrás

      Olá Humberto, como vai?
      Geralmente, veículos com remarcação de chassi não atingem o valor da tabela FIPE. Costumam ser negociados de 10% a 30% a menos do valor da FIPE. Porém não existe uma lei que te assegure disso, é uma negociação entre comprador e vendedor.