HomeGestão empresarial

Aprenda como analisar a DRE de uma empresa!

Aprenda como analisar a DRE de uma empresa!

Tempo de Leitura: 3 minutos

Em todos os setores, convivemos com um mercado altamente competitivo, exigindo comprometimento e propósito das equipes por trás das empresas. Sendo assim, elaboramos este post fundamental à análise operacional do seu negócio, em que esclarecemos como realizar o DRE de uma empresa.

Afinal de contas, esse é um exercício contábil indispensável ao processo de tomada de decisão, pois capacita o gestor com uma visão mais ampla de tudo aquilo que precisa ser ajustado. Então, sem mais demora, acompanhe!

A DRE

Essa é uma sigla que abrevia o relatório de Demonstração do Resultado do Exercício que, resumidamente, apresenta os principais detalhes do faturamento de uma empresa em um determinado período, apontando aspectos importantes à estratégia do negócio.

Com a DRE, a equipe financeira pode refletir sobre pequenos e grandes ajustes sobre a operação, projetando e estimando as movimentações futuras para, assim, identificar quais são os melhores caminhos para ampliar o faturamento e reduzir custos.  

As melhores dicas para analisar a DRE de uma empresa

Logo aqui, entra a importância de saber utilizar essa ferramenta da maneira adequada. Pensando nisso, reunimos as melhores dicas sobre o tema para que você aprimore as análises da sua empresa. Veja!

Entenda a estrutura

A DRE é dividida em várias camadas que, como em um efeito cascata, servem para aumentar ou reduzir os ganhos da sua operação. Por isso, é muito importante entender os valores que você deve informar em cada uma dessas fases, garantindo a assertividade do cálculo. As camadas são:

  • + Receita Operacional Bruta: valores ganhos com a venda de serviços e/ou mercadorias;
  • – Deduções da Receita: descontos e impostos sobre as vendas;
  • = Receita Operacional Líquida: soma dos dois itens acima;
  • – Despesas Diretas: custos de aquisição de mercadorias;
  • = Resultado Operacional bruto: margem de contribuição;
  • – Despesas Indiretas: custos recorrentes/operacionais, tais como salários, comissões, depreciações e afins;
  • = Resultado Operacional EBITDA: faturamento anterior aos custos com amortizações e provisões;
  • – Amortizações e Provisões: valores estimados da desvalorização dos ativos e passivos da empresa, como a defasagem de máquinas, ferramentas, veículos e afins;
  • = Resultado Operacional EBIT: faturamento produto da gestão;
  • + Ganhos aferidos por Resultado Financeiro ou Não Operacional:  processos trabalhistas, ágios de ações e alienação de ativos;
  • – Perdas aferidas por Resultado Financeiro ou Não Operacional: processos trabalhistas, ágios de ações e alienação de ativos;
  • = Resultado anterior aos Juros e Imposto de Renda: soma dos três itens acima;
  • – Provisão ao IR e CSLL: custos com Imposto de Renda e Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido;
  • = Resultado Final do Exercício: o faturamento em sua forma mais pura, livre de encargos e, portanto, o resultado final de toda a operação.

Tenha visão abrangente

Com o tempo, você conseguirá realizar análises mais arrojadas sobre a operação, tais como a horizontal e vertical. Na primeira, você compara os resultados das DREs de dois períodos na linha do tempo, fazendo comparações entre anos, semestres ou meses. Assim, você identifica o crescimento ou estagnação da atividade econômica do negócio.

Já a vertical prioriza o estudo de cada uma das despesas no faturamento final da empresa. Com isso, a equipe consegue identificar o peso tributário sobre a operação, ou até mesmo, quais são os pontos que merecem ajustes, como o aumento ou redução no investimento em aquisições de mercadorias, liquidação de passivos ociosos, como os veículos, entre outras estratégias.

Alimente a DRE com valores precisos

É justamente aqui que muitas equipes contábeis falham, trabalhando com estimativas imprecisas, que resultam em valores imprecisos. Por isso, é indispensável que você colha todas as informações fiscais do exercício da empresa, alimentando a DRE com os valores exatos. Assim, o exercício te apresentará uma série de resultados verdadeiros e, portanto, confiáveis à decisão de novas estratégias.

Por fim, encerramos mais este conteúdo chave à saúde operacional da sua empresa. Como pôde perceber, a utilidade desta ferramenta depende de apenas dois critérios: a precisão das informações oferecidas ao cálculo e a criatividade dos gestores na interpretação desses resultados.

Gostou deste artigo esclarecendo como elaborar a DRE de uma empresa? Então não perca a chance de se manter atualizado no tema, diretamente nas suas redes sociais. Para tanto, basta encontrar e seguir as nossas páginas no Facebook e no Instagram!

Maylan Moreno - Rede Cred Auto

Profissional de Marketing na Rede Cred Auto. Escrevo sobre consultas veiculares, de crédito e negativação de devedores. Dou dicas sobre otimização do financeiro de uma empresa, mercado de tecnologia e automotivo no geral.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0